Porquê que eu quero tornar-me minimalista?

maio 30, 2014


Após ter visto novamente a rubrica no blog da Rita sobre "Vida simples de pessoas reais", fez-me pensar os motivos que me levaram a seguir este caminho pelo minimalismo. Decidi dar também o meu testemunho (foi hoje colocado no blog da Rita, aqui). 

"Eu tive conhecimento sobre este estilo de vida minimalista por acaso. Há um ano andava a passear pela blogosfera e encontrei o blog da Rita, e adorei tudo o que li. Foi o que me levou a procurar mais pelo assunto e aprofundar os meus conhecimentos. E assim decidi que iria começar uma vida mais minimalista.     

Já está mais que sabido que o Minimalismo como estilo de vida significa basicamente: viver mais com menos. E quem segue um estilo de vida minimalista sabe que no início começamos sempre por retirar o excesso de tralha física que temos em casa. Para mim até foi uma tarefa fácil, porque eu não sou uma pessoa que se apega muita às coisas. Mas o mais importante é que com o tempo percebi-me que o minimalismo é muito mais do que um estilo de vida. É uma ferramenta que pode-me ajudar, ao me livrar dos excessos, a concentrar-me no que realmente importa para alcançar a minha felicidade e, principalmente, a liberdade. É isto que me fez gostar deste estilo de vida!
Eu nunca vivi uma vida consumista, pelo contrário eu nunca tive muitas coisas. Mas o problema é que isso não era por escolha minha, mas sim por ter algumas dificuldades financeiras. Mesmo tendo a consciência de que a felicidade é raramente encontrada em bens materiais, nesta era de consumismo desenfreado não é fácil ser-se feliz com pouco. Então tinha alguns momentos de frustração, decepção e infelicidade, porque não podia ter o que as pessoas "normais" tinham. 

Posso dizer que ao conhecer o minimalismo fez-me pensar que é possível ter esta felicidade, aprendendo a deixar de pensar no que não tenho e deixar de sobrecarregar a minha cabeça de coisas e de sentimentos que me angustiam. E sim simplificar a vida e dar mais atenção às coisas que o dinheiro não pode comprar: todos os momentos passados com a minha filha, o meu companheiro e com a família e amigos. Hoje em dia tento sempre lembrar-me que mais importante do que ter é ser. 
A descoberta do minimalismo também me levou a fazer outras alterações na minha vida, que andava a adiar a algum tempo. A principal alteração foi eliminar um hábito terrível: deixar de fumar. Passei a dar mais importância à minha pessoa, a procurar ser mais organizada, mais saudável e mais responsável pela minha pegada ecológica (isto tudo com grande influência do blog da Rita). Passei a viver mais o presente e a deixar o passado que me perseguia e só me fazia mal para trás. Resumindo passei a ser mais Feliz.

Claro que nada muda do dia para a noite, mas o importante é que a partir do momento que vi a necessidade de uma vida mais minimalista, decidi percorrer esse caminho. E mesmo com pequenos passos e adequando-me a ela na medida das minhas possibilidades, tenho a certeza que a minha vida vai melhorar cada vez mais."




Créditos da foto | Soikkoratamo via Visualhunt.com   

Implementar 100 Dicas para Organizar e Simplificar a Vida

Ontem foi feriado aqui em França (como em certos sítios em Portugal) e aproveitei o tempo para não fazer "nada". Estive a ler novamente o ebook “100 Dicas para Organizar e Simplificar a Vida” de Rita Domingues (The Busy Woman and the stripy cat). Como ela descreve no inicio são “100 dicas fáceis de implementar que conduzirão a uma vida mais organizada, mais limpa, mais verde e, em última análise, mais simples, tendo como pano de fundo os princípios do minimalismo, estilo de vida que recusa intencionalmente o excesso, mantendo apenas o que é realmente importante e necessário”. 
Já tinha lido há muito tempo e decidi ler agora para ver quais das 100 dicas ainda não tinha implementado. Passei resumidamente todas para um documento word e coloquei por diferentes cores as que já tinha feito (verde), as que não tinha feito (vermelho) e qual a razão, e ainda as que já faço mas que tenho que ir fazendo como um hábito (azul), como por exemplo: mandar qualquer coisa fora todos os dias, ou então são dicas que não se encaixam na minha realidade atual, mas que poderei usar um dia. Assim, vou guardar este documento e vou verificando ao longo deste próximo mês quais ainda me faltam fazer. 

Ora eu ainda tenho 37 dicas a vermelho, que não fiz por alguma razão ou até por razão nenhuma, simplesmente não me lembrei. Por exemplo, fazer o inventário dos medicamentos e colocar na agenda é uma coisa que tenho planeado há muito tempo e não fiz ainda. Aproveitar este desafio que coloquei a mim própria este mês para diminuir este número. Não é um número muito mau, em 100 dicas só me faltam 37 para implementar...é muito bom. Penso eu! Para mim é... Depois escrevo aqui no final do mês o resultado.

Acho que todos já conhecem o ebook, mas para quem por alguma razão ainda não o tem, basta subscrever no blog e recebe dois ebooks grátis. 


Inspiração para uma vida mais simples #1

maio 28, 2014


Desapegar 
Soltar. Entregar. Deixar ir.
Viver no presente sem o peso do passado e sem expectativas para o futuro.
Sem posses. Sem medo. Sem culpas.

Precisamos de desapegar de algumas coisas e pessoas para conseguirmos seguir em frente na vida. Nós apegamos-nos a muitas coisas que só nos prendem...Desapegar é ficar livre! Sempre gostei de me sentir livre...

Significado de Desapegar no dicionário:
- separar, tornar menos afeiçoado, soltar-se, perder a afeição.






créditos da imagem | Lizzy Gadd

Destralhar Casa dos Pais

maio 26, 2014


Quem segue um estilo de vida minimalista sabe que no início começamos sempre por retirar o excesso de tralha física que temos à nossa volta. Um dos meus primeiros passos foi destralhar as coisas que tinha em casa dos meus pais antes de me vir embora para França. Não queria trazer nada que não precisasse realmente cá, mas também não queria deixar a casa dos meus pais com "lixo" meu. Muitas coisas coloquei à venda no Olx, outras dei e outras foram mesmo para o lixo.

Itens Pessoais
- Comecei pelas pastas de arquivo que tinha com documentos pessoais: os documentos que já não eram necessários guardar (segui estas datas) deitei para a reciclagem. Os que são importantes e que preciso de manter trouxe para digitalizar. Confesso que ainda não acabei de digitalizar todos, porque quero eliminar quase todo o papel, então tenho ainda alguns. 

- Imensas recordações dos tempos de escola: fotografias, bilhetes com mensagens, lembranças de amigos. Mandei tudo para o lixo, sem dó nem piedade, e não sinto falta de nada. As boas recordações são para ficar guardadas na memória! Não preciso de um pedaço de papel ou de uma fotografia para me recordar das pessoas que me marcaram nesses tempos. 

- Um monte de revistas guardadas, que nem me dei ao trabalho de ver o que mais gostava para depois arquivar nalgum lugar, que acabava por não ir ver na mesma e, também, sabia que ia levar tempo para começar e terminar essa tarefa. 

- Os objetos de decoração trouxe alguns comigo, porque a nossa casa estava sem qualquer tipo de item de decoração e achei que ficaria bem. 

- Outra coisa que destralhei (e que e deu algum trabalho) foram os cds de fotografias. Passei todas as fotografias para o computador, seleccionei e eliminei fotos mal tiradas, desfocadas e repetidas, fotos que não me interessam (tinha muitas fotos que eram mais do mesmo e não me fez diferença nenhuma apagá-las). Encontrei fotos da minha filha linda que já não me lembrava, soube bem recordar. As fotos foram guardadas em pastas referentes a cada ano e por sub-pasta com a data (ex: 2014-05-03) e com o nome do evento. Outros cds de filmes e música foram também para o lixo, mas não coloquei nada no computador. Quando quiser um filme ou alguma música vou à internet. 

- Tinha muitos desenhos da minha filha e outras lembranças que queria guardar para recordação. Então fotografei ou digitalizei o que gostei mais e deitei para o lixo. 

- Quando comecei a fazer a minha mala de viagem, aproveitei logo para destralhar a minha roupa, sapatos, bijutaria e relógios que tinha. Só ia levar uma mala de mão e ia enviar mais uma encomenda por uma transportadora de 20kg, por isso tinha que caber tudo na mala e na caixa. As coisas boas que não queria dei (não foram muita), as que já não estavam muito boas deitei fora. 

Itens da Faculdade
- A minha coleção de livros coloquei à venda (alguns já vendi outros não). Os livros da faculdade vendi-os todos, menos os que tinham uma dedicatória personalizada, que quero guardar e são os que gostei mais. Se algum dia precisar vou a uma biblioteca pesquisar. Durante a faculdade deu-me bastante jeito, mas se tivesse agora na faculdade não os tinha comprado. Os outros livros de leitura, ainda tenho alguns à espera de serem vendidos. 

- Tenho algumas fotocópias de manuais inteiros da faculdade que quero dar à biblioteca da escola, para outros alunos que queiram usar. Quando voltar a Portugal tenho que os levar. Em relação aos apontamentos que tinha em dossiers, digitalizei os que não tinha no computador e o resto deitei para a reciclagem. Os dossiers de arquivo era para dar a uma instituição, mas achei melhor guardar para a minha filha, pois ela estraga dossiers com uma facilidade!

- Outras coisas que também coloquei à venda, porque tenho cá em França e não vou precisar, foram as pens de banda larga (tinha 3 nem sei porquê, não utilizava nenhuma) e uma impressora que estava como nova e não a utilizava (tenho outra que usos tinteiros mais económicos). Também tinha um telemóvel muito antigo que foi para a reciclagem e alguns cabos de uma máquina fotográfica que já não tenho. 

Como podem ver pela lista foram sacos e sacos para o lixo. Não tirei nenhuma foto, na altura não me lembrei. Mas ainda ficou para ver um roupeiro, onde a minha mãe guarda lá livros e coisas minhas do tempo do liceu, mas não consegui lá chegar. Nas próximas férias! 

Todo este processo eu fiz ao longo do último mês que estive em Portugal, não foi feito tudo num dia. Muitas das coisas precisei de algum tempo para organiza-las, principalmente as fotografias. Finalmente consegui concretizá-lo, pois vinha adiando há muito tempo, então a minha vinda para França foi a oportunidade ideal para o fazer. Deitei muita coisa fora e no final senti-me tão bem...um sentimento de liberdade.



No fim-de-semana...

maio 25, 2014


...Fez-se muita coisa! Foi um fim-de-semana muito produtivo. O Sábado foi para passar o tempo com quem mais gostamos, estar com os amigos, andar de bicicleta (já não andava há mais de 10 anos) e fazer um pic-nic ao pé do lago, que temos mesmo perto de casa. Agradecer por termos estes momentos e por vivermos num lugar tão bonito, que não é no nosso país e nem na nossa terra...mas já o consideramos como nosso!

O Domingo serviu para, finalmente, fazer uma arrumação à arrecadação. Queria fazer há tanto tempo, mas precisava que fosse o Edgar a ter vontade, porque as coisas que lá estavam eram quase todas dele. E assim foram 5 sacos para o lixo (coisas para dar, outras para reciclar) e já se consegue andar lá dentro. Antes era impossível! Depois faço um post sobre isto.

Também tive tempo para descansar:
Ler este livro novamente: "Simplifique a sua vida" de Elaine St. James. Já o tinha lido, mas agora estou a ler para tirar uns apontamentos.

Descobrir este blog da Ema, que existe há muito tempo, mas eu desconhecia.

Inspirar-me com este texto:
"A vida dá muitas voltas. Traz-nos novos desafios. Muitas vezes, quando menos estávamos à espera. Primeiro resistimos, temos medo, não sabemos se é aquele o caminho certo, mas vamos em frente, ainda que a medo e um pouco contrariados. A mudança é tramada. Uns dias depois já estamos mais confiantes, já nos sentimos bem na nova pele e seguimos em frente, sem medo. Afinal temos que aceitar o que a vida nos dá. E temos que aceitar que a mudança faz parte, que aquele até poderia não ser o caminho que queríamos inicialmente mas que nos poderá levar a outros, que sempre quisemos percorrer. Se ficarmos parados no mesmo sítio é que não chegaremos mesmo a lado nenhum. Por isso acredito que se a vida me levou por este caminho é porque faz sentido, é porque estou preparada, é porque vou crescer, aprender e descobrir novos caminhos." by Ana, Go Slowly

E acreditar que estou num bom caminho e que esta mudança de país é uma oportunidade.
Boa semana!

O Minimalista que está dentro de nós

maio 20, 2014

Hoje vou falar de um ebook: o "The Minimalist Within" de Faith Jones. Estas autora escreve o blog Minimalist at Home e têm diversos livros publicados sobre o minimalismo, mas este que apresento é gratuito (está em inglês, mas é de fácil tradução).

The Minimalist Within é tipo um guia de iniciação para a nossa jornada em direção ao minimalismo, mas não nos dá instruções de como organizar ou destralhar. A autora conta-nos como começou o seu caminho no minimalismo e fala-nos das motivações que estão por detrás do desejo de nos tornarmos minimalistas e os benefícios deste. O livro é uma boa ferramenta para determinar o "porquê" do minimalismo na nossa vida e faz-nos pensar como é importante priorizar, para manter o foco nas coisas que realmente importam, deixando as coisas que não interessam. 

Ficam aqui alguns passos que Faith Janes apresenta ao longo do livro:
- As perguntas certas que devemos fazer antes de começar a nossa busca pelo minimalismo. Segundo a autora devemos ter a certeza do porquê querer ter um estilo de vida minimalista e assim devemos colocar o "porquê" em vez de "como" nas nossas questões, como por exemplo: "Não pergunte: Como faço para me livrar de toda esta confusão?. Pergunte: Porquê que eu quero menos confusão na minha vida?". 

"Algumas pessoas referem-se ao minimalismo como um movimento social, enquanto outros o definem como uma opção de vida. Apesar de ter significados diferentes para pessoas diferentes, a maioria concorda que o minimalismo é se concentrar nas coisas que importam, deixando de lado o resto." - Faith Janes 

- Os 10 pequenos passos minimalistas que devemos dar:
  • Comprar Menos -> Economizar Mais 
  • Assistir Menos Televisão -> Ler ou Falar Mais 
  • Conduzir Menos -> Andar a pé, de Bicicleta ou Descansar Mais 
  • Programar Menos -> Prosseguir Mais Tempo Livre 
  • Discutir Menos -> Debater e Respeitar Mais 
  • Preocupar-se Menos -> Procurar Mais a Paz 
  • Organizar Menos -> Priorizar Mais 
  • Guardar Menos -> Destralhar Mais 
  • Trabalhar Menos -> Desconectar Mais 
  • Consumir Menos -> Dar mais 
- Priorizar e não organizar. Para a autora, o nosso primeiro passo não deve ser organizar mas sim priorizar. Assim ao refletir quais são as nossas prioridades, torna-se muito mais fácil decidir o que é preciso ser eliminado. Devemos perguntar a nós mesmos o que é realmente importante para nós. 

No livro podem encontrar mais informação interessante, bem como imagens e citações inspiradoras para a simplificação da nossa vida. É um livro de fácil leitura e eu recomendo para quem está no início desta jornada em direção ao minimalismo, como eu. Podem fazer o download aqui.

Boas leituras,


No fim-de-semana...

maio 19, 2014

Passá-lo com a "nossa família" emigrante. Amigos que fazem minimizar as saudades dos nossos. Momentos para relaxar e continuar a minha leitura do livro que está quase a terminar. Descobrir boa música e atualizar as minhas playlists.

"Well I don't have many and I don't have much
In fact I don't have any but I've got enough"

Ler este texto deste blog que me inspira tanto. E lembrar sempre que "ter fé é inevitável. Por mais que a vida nos ponha à prova, nós vamos continuar a acreditar nela". Tentar ser cada vez mais a terceira pessoa descrita por Leo Babauta. E estes pensamentos que também poderiam ser meus.

Boa semana!


Ebook | A Força do Hábito

maio 14, 2014

Neste meu caminho para simplificar a minha vida decidi mudar alguns hábitos maus que tenho, principalmente deixar de fumar. Este é o meu principal objetivo para este ano e, como Leo Babauta diz: temos que nos focar num só hábito para conseguirmos ter sucesso. Também quero fazer outras alterações na minha vida, como ter uma alimentação mais saudável e começar a fazer exercício. Ou seja, eu quero alterar diversos hábitos, mas como é que posso mudar esses hábitos? 

Foi através do blog da Rita que tive conhecimento do livro "O Poder do Hábito", escrito pelo jornalista Charles Duhigg, sobre vários estudos científicos que mostram como se formam e transformam os hábitos, sendo possível explicar do porquê que algumas pessoas conseguem parar de fumar ou emagrecer, enquanto outras não. Despertou-me atenção o tema do livro, uma vez que a minha intenção é mudar alguns dos meus hábitos para ter uma vida mais organizada e mais saudável. Então fui ler o livro (encontrei no site lelivros gratuito, está é em português do brasil). 

Toda a nossa vida, na medida em que tem forma definida, não é nada além de uma massa de hábitos” - William James

Os hábitos fazem parte da nossa vida. Nós todos os dias realizamos ações inconscientes, principalmente aquelas que fazemos rotineiramente. Os hábitos surgem porque o nosso cérebro está o tempo todo procurando maneiras de poupar esforço, ou seja, quando repetimos um determinado comportamento deliberadamente, o nosso cérebro é programado para armazenar essa informação. De acordo com os estudos, ocorre um ciclo (“loop do hábito”) constituído por uma deixa, rotina e recompensa, ou seja, há primeiro uma deixa, um estímulo que manda o cérebro entrar em modo automático. Depois há a rotina, que pode ser física, mental ou emocional. Finalmente, há uma recompensa, que ajuda o cérebro a saber se vale a pena memorizar este loop específico para o futuro. 

As duas regras básicas para criar novos hábitos:
1º- achar uma deixa simples e óbvia.
2º- definir claramente as recompensas.

O autor dá o exemplo de pessoas que conseguiram estabelecer novas rotinas de exercícios, conseguindo manterem-se fiéis a um plano de exercícios quando escolhem uma deixa específica, tal como correr assim que chegam do trabalho, e uma recompensa clara, como uma noite de TV sem culpa. Mas também é necessário desenvolver um anseio que movimenta o loop, ou seja, o motivo para as pessoas continuarem, por exemplo, a fazer exercício, é devido a uma recompensa específica pela qual começaram a ansiar: faz-lhes “sentirem-se bem” ou fazer exercícios dá-lhes uma sensação de “realização”.

Para mudar um hábito a tarefa é complicada, não é fácil ou rápida, mas é possível. Sabendo como o hábito funciona precisamos de reconhecer as deixas e recompensas para alterar a rotina, estando a meio caminho de substituir esse hábito por outro. 

Outro dos exemplos do autor é o do vício da nicotina (que é realmente o hábito que quero mudar). Este vício dura apenas enquanto a nicotina está na corrente sanguínea do fumador — cerca de cem horas depois do último cigarro. Eu já passei essas horas, mas porque que temos vontade na mesma de agarrar num cigarro, ou seja, continuamos com os hábitos comportamentais - ansiamos por um cigarro no café da manhã um mês depois porque lembramos a sensação agradável que ele costumava proporcionar todas manhãs. 

A nova rotina de “deixar de fumar” foi inserida, mas isso não é suficiente. Para que um hábito continue mudado, as pessoas precisam acreditar que a mudança é possível. O autor diz que precisamos de ter “fé” na nossa mudança. E na maior parte das vezes, a fé só surge com a ajuda de outras pessoas, por isso é bom partilharmos a nossa decisão de mudar com alguém para nos incentivarem nesta caminhada. Também é bom para nós não desistirmos porque acabamos por ficar um pouco comprometidos com as outras pessoas ou então não queremos mostrar a nossa parte fraca. 

Charles Duhigg escreveu: “Não tem nada que você não possa…se criar os hábitos certos”. Se fizermos uma avaliação consciente dos nossos hábitos podemos começar a mudar algo que nos incomoda. Quando terminei de ler o livro disse a mim própria é hoje que vou deixar de fumar. Acordei no outro dia (21-04-2014) e não fumei mais até hoje e por incrível que pareça, foi mais fácil do que pensava. Simplesmente alterei alguns hábitos que originavam a vontade de fumar: deixei de beber café depois das refeições - bebo chá, o que me faz sentir que estou num bom caminho para uma vida mais saudável, e assim não tenho o instinto de ir buscar o cigarro; também fumava quando estava entediada, então nessas alturas tento mudar os meus pensamentos e fazer outra coisa - saio de casa e vou dar uma caminhada, levanto-me da secretária e vou para o quarto ler um livro; e outras alturas que fumava era quando me juntava com os amigos. Confesso que esta última situação foi a mais difícil e tive que ter mesmo força de vontade para não cair em tentação. Claro que no inicio foi difícil (muito difícil), passei por momentos de péssimo humor e sem paciência, e volta e meia vinha-me à cabeça a vontade de fumar. Contei com a ajuda do meu companheiro, pois todos os dias chegava do trabalho e perguntava-me "Então hoje não fumaste também?", o que me dava ainda mais força para conseguir. E a minha filha também foi um grande apoio, só as palavras que ela me disse quando a informei da minha decisão - "Mãe tenho tanto orgulho em ti" - foram as palavras certas para eu não desistir. E já se passaram 23 dias e não sinto falta nenhuma dos cigarros na minha vida. (Acho importante dizer que o meu companheiro também fuma e continua a fumar, mas com o meu exemplo já pensa em deixar também) 

O Autor no final do livro nos fornece um guia para nos ajudar na mudança de um hábito. Encontrei este vídeo no youtube, que explica o exemplo dado pelo autor nesse guia.




No fim-de-semana...

maio 11, 2014


Aproveitar para descansar...adoro passar um fim de semana em casa tranquilo a ler um livro.
Ver dois filmes: um para ele e um para mim.
Ver e voltar a ver este video e não esquecer dos concelhos: O que está a Envelhecer a Mulher Moderna de Francisca Guimarães (do blog Miss Kale
Ler posts inspiradores: 

Carregar as energias com uma bela caminhada matinal e desfrutar das belas paisagens que esta cidade nos oferece.





O meu primeiro post

maio 07, 2014


Vou falar um pouco de mim! O meu nome é Raquel. Sou uma portuguesa que se mudou recentemente para uma linda cidade em França. Sou mãe de uma menina, companheira de um homem fantástico e dona de uma cadela preta. Tenho 30 anos e sou licenciada em Turismo. Neste momento, estou desempregada, mas desejo que seja por pouco tempo. 
É a primeira vez que parto nesta aventura pelo mundo da blogosfera, já tinha tentado uma vez mas desisti logo, só que o "bichinho" de o fazer continuava aqui. E o porquê de eu criar um blog!! A principal razão é para finalmente assumir um compromisso com a minha própria jornada no minimalismo e para adquirir mais conhecimento sobre a temática, pois é uma boa maneira de alimentar a minha mentezinha com informações novas.  
É muito recente a minha descoberta pelo minimalismo e pela vida simples (sendo mais específica, há um ano), mas logo me interessei pelo assunto, talvez porque nunca levei uma vida com muitos excessos. Comecei a devorar blogs sobre o minimalismo a partir desse momento, principalmente os blogs portugueses: The Busy Woman and the Stripy Cat e Ana, Go Slowly. Acho fascinante e inspirador o estilo de vida de alguns minimalistas, e então decidi aprender como iniciar essa jornada. Digo desde já que não sou nenhuma expert sobre o assunto, pelo contrário sou uma iniciante. Ou seja, neste blog pretendo partilhar algumas das minhas descobertas, a forma como vou trilhando este caminho e simplificando gradualmente a minha vida.  

Se algum dia tiver leitores vou ficar muito contente, Se isso não acontecer, vou continuar na mesma com o blog, porque tenho a certeza que vai ser uma forma de eu prosseguir com a minha jornada.


© Just happy with less. Design by FCD.