10 Maneiras de Destralhar a Mente


Um dos meus principais objectivos nesta caminhada para o minimalismo é destralhar a mente. Como disse neste post eu quero ser mais presente e viver mais o agora (dica 40). Tenho passado a minha vida num constante estado de ansiedade e posso mesmo dizer de frustração por situações que vivi no passado. Durante um dia inteiro, até mesmo a dormir, passam um milhão de pensamentos pela minha cabeça. Por exemplo, às vezes acordo a meio da noite e estou o tempo todo a pensar sobre algo que me aconteceu durante o dia ou pensamentos e ideias de coisas que tenho para fazer. Por isso para mim mais importante que destralhar a casa é destralhar a mente. E é uma tarefa bem mais difícil, mas não impossível. Tenho vindo a adoptar algumas soluções para lidar com esse problema:

1. Anotar tudo. Eu uso um caderno de notas ou mesmo uma aplicação no telemóvel (Google Keep) para passar tudo o está dentro da minha cabeça...Ajuda-me muito e assim sei que registei o pensamento e não vou esquecer. Pode ser qualquer coisa, tarefas, ideias ou algum problema a resolver...tudo! Mas uso só aquelas duas ferramentas, para depois não andar perdida também em papéis.

2. Respirar. Nos momentos de mais ansiedade e stress, respiro profundamente e concentro-me durante alguns minutos, 10 a 15 minutos, na minha respiração. Ás vezes o stress faz com que até mesmo a mais simples tarefa seja difícil. Uma boa forma para acalmar a mente é sentir a nossa respiração, não pensar, apenas sentir. Ao fazer isto, deixo de concentrar-me nos pensamentos para passar a concentra-me na respiração. 

3. Cuidar mais de mim mesma. Dormir mais, o que significa para mim dormir o suficiente (antes achava que dormir era uma perda de tempo). Levar uma vida mais saudável: comer bem e fazer exercício. Se o corpo sofre a mente também sofre, por isso é essencial melhorar a nossa saúde. Tenho adoptado uma alimentação mais saudável e gosto muito de fazer caminhadas e estar em contacto com a natureza. 

4. Destralhar os itens físicos. Isto é essencial para a simplificação da vida, a desorganização não faz bem a ninguém, para além de que é poluição visual e assim exige mais da nossa atenção, tirando o nosso foco no que realmente precisamos de nos concentrar. 

5. Observar como estou a sentir-me e reconhecer o porquê. Controlar os meus pensamentos para ficar mais calma. Agora, quando sinto ansiedade, pergunto-me se é realmente relevante pensar nessa situação. Há coisas que já aconteceram há tanto tempo que não tenho necessidade de pensar nelas e continuar com sentimentos perturbadores.   

6. Parar de deter-me sobre as coisas. Claro que isto é mais fácil dizer do que fazer, mas há coisas que acontecem na vida que não dependem de mim, então tenho que aceitar isso, deixar ir e parar de me preocupar com isso, para passar a pensar nas coisas que posso controlar. Pensar em tudo o que me faz feliz: a minha filha, o meu companheiro, a minha cadela, as nossa próximas férias no nosso país, ou mesmo em nada. Pensar no nada também faz bem. 

7. Identificar o essencial. Escolher bem o que é realmente importante para mim e focar-me nisso. Por exemplo, eu decidi escolher com quem e a que vou dedicar a minha vida. Deixar de perder tempo com pessoas tóxicas e com compromissos sociais, que nada contribuem para a minha felicidade. E assim deixar a mente livre de pensamentos negativos.  

8. Concentrar-me numa coisa de cada vez. Quando faço uma série de actividades não presto a necessária atenção a qualquer uma delas. Não é possível fazer o meu melhor ou ser o meu melhor quando estou a tentar fazer tudo a correr e ao mesmo tempo. Multi-tasking não trás mais produtividade nem mais felicidade, ou seja, tenho que fazer uma tarefa de cada vez e só quando terminar, passar à tarefa seguinte. 

9. Reduzir a carga. Quando não consigo aguentar todas a tarefas, não posso ter medo de pedir ajuda. E isto serve para casa ou no trabalho, pois se nos sentimos sobrecarregados, não há nada de errado pedir ajuda. Só mostra coragem de nossa parte, e não fraqueza. 

10. Conversar com quem confio. É muito bom poder falar com alguém que confiamos. Um bom método que uso é escrever um email todas as semanas para a minha irmã. Nós somos gémeas e temos uma ligação muito forte. A minha mudança para França não foi muito fácil e esta foi a forma que arranjámos de estar sempre presentes. Se não tem ninguém para confiar, escrever num diário também ajuda. Ao descarregar os nossos pensamentos estamos a aliviar a nossa mente. 

Nem sempre é fácil destralhar a mente e colocar os nosso pensamento de lado, mas tenho dedicado algum tempo a esta "tarefa". Se tenho notado diferença? Tenho...noto que o meu passado já está bem mais longe e não regresso a ele tantas vezes e ando menos ansiosa com o futuro. Os meus dias são bem mais calmos e produtivos. 

créditos da imagem | David Jubert

2 comentários:

  1. Raquel, também sinto muita dificuldade em destralhar a mente. Já melhorei muito mas ainda há uma longa caminhada a ser percorrida nesse quesito. Fico feliz em estar menos ansiosa, em me policiar quando começo a ficar inquieta. A respiração diafragmática é uma ótima ajuda para os momentos de ansiedade pois ajuda na melhor circulação de oxigênio pelo corpo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Bruna! Não tinha conhecimento desse tipo de respiração...Já andei aqui a fazer as minhas pesquisas :)

      Eliminar