Na Semana que passou...

março 30, 2015


Procrastinei muito! Não sou e nunca vou ser perfeita e, a verdade, é que na última semana não tive vontade de fazer nada. Colocava as tarefas na agenda mas a maior parte não eram feitas e nos últimos de dias nem na agenda já escrevia. Porquê? Não sei! Talvez seja o meu corpo a dar respostas às mudanças que têm acontecido e de estar sempre a mudar de horários. Eu sou uma pessoa de rotinas e gosto de ter tudo bem planeado! Quando algo muda tenho alguma dificuldade em adaptar-me...Mas ainda bem que tenho consciência disto, pois assim sei que vou alterar! :) Dar tempo ao tempo e abrandar! Cobrar menos da minha pessoa!

Hoje começa mais uma nova semana! Olhar em frente e seguir com a certeza que tudo vai melhorar... Também estamos quase entrar num novo mês e aqui ele parece já ter entrado...Abril águas mil! Foi um fim-de-semana de chuva e parece que vai continuar durante a semana. 

Então deixo aqui o que mais gostei de ler na semana que passou:
- Desligar-me para me ligar - do blog da querida Joana Goes Zen.

- Que vida é essa que estou levando - do blog Nada de Compras. O que a Andreia escreveu fez-me pensar...e muito!

- Temos objetivos demais - do blog Vida Organizada. 

- Dicas para viver bem sem precisar de muito - do blog Coisas Fúteis. 

- As dicas para organizar a vida em 7 dias - do blog Simples coisas...minhas.   

"Se em algum ponto de sua vida você adotar uma ideia ou uma percepção como a verdade absoluta, você fecha a porta de sua mente. Isto é o final da busca pela verdade. E não apenas você não procura mais a verdade, mas mesmo se a verdade vier em pessoa e bater na sua porta, você se recusará a abri-la. Apego a visões, apego a ideias, apego à percepções são o maior obstáculo à verdade". - O Buda

Desejo uma ótima semana :) 
créditos da imagem | flickr Kendall

Viver com 100 coisas

março 24, 2015


O livro "O Desafio das 100 coisas" do Dave Bruno conta a sua experiência de viver um ano com apenas 100 objetos pessoais, incluindo roupa, calçado e outros objetos de uso exclusivamente individual. 
Para ser sincera, o livro desiludiu-me um pouco, estava à espera de mais. O autor torna-se muitas vezes repetitivo, a determinada altura cansa a leitura consecutiva das expressões "O Desafio das 100 coisas" e "O consumismo ao estilo americano", sem abreviar. Penso que o livro resumia-se muito bem só com os dois últimos capítulos que tem alguns conteúdos práticos e algumas ideias interessantes que aborda ao longo do livro. Nos primeiros capítulos, Dave descreve em detalhe como surgiu a ideia de fazer o desafio e depois o autor relata toda a sua experiência, antes e no decorrer do desafio. Mesmo achando o livro um pouco aborrecido consegui retirar algumas ideias inspiradoras, que gostava de partilhar (já tinha referido o livro neste post). 

"Que possamos viver na Terra vidas recheadas de alegria e reflexão, e que não sejamos mais tarde lembrados pelas nossas posses mas sim pelas dádivas que partiram dos nossos corações"

A verdade é que compramos coisas, ano após ano, uma e outra vez, em busca de alguma satisfação. Valorizamos simplesmente o que é novidade, em detrimento dos objectos com os quais poderíamos contentar-nos e limitar-nos a desfrutar. Dave afirma ainda que o problema não era o caos, o excesso de coisas acumuladas, mas os objectos em si, que desviavam a sua atenção daquilo que era realmente importante na sua vida. O desafio das 100 coisas levou o autor a repensar tudo na sua vida, não apenas a "tralha". Ao longo do desafio perguntou a si próprio em que medida é que possuir demasiadas coisas estava a afectar a sua vida. E não resistiu a aplicar a mesma fórmula para questionar outros aspectos da sua vida. 

Gostei da explicação do significado da palavra "consumidor", pois actualmente tem conotações positivas - enquanto clientes e compradores somos consumidores. Consumidor hoje em dia é alguém que compra alguma coisa. No entanto no significado original, o consumidor é aquele que consome, desperdiça, esbanja ou destroi.
"Muito do que despreocupadamente consumimos (isto é, compramos) literalmente consumimos (isto é destruímos)". Mas o problema não é consumir...é consumir mais do que o necessário. O consumo em excesso é um principio assente da nossa sociedade de consumo. Sabemos à partida que não só compramos mais do que precisamos como compramos mais do que verdadeiramente queríamos. A sociedade incute-nos vontades.

Agora falando do desafio das 100 coisas. O autor definiu algumas regras: 
1ª - "O desafio é meu" - o desafio é um sacrifício pessoal e não é algo que pretende impor aos outros, sobretudo à família. O autor determina as regras do desafio e as suas possíveis flexibilidades.
2ª - "Definição de objetos pessoais" - são aqueles que são só do autor de uso individual, ou seja, os objetos partilhados por toda a família e as coisas da casa não entram na categoria de bens pessoais.
3ª - "Recordações" - inicialmente pensou em conservar uma caixa de recordações, mas acabou por decidir ficar apenas com uma bíblia dada pelo seu pai.
4ª - "Livros" - o autor considerou todos os seus livros como um único objeto: biblioteca.
5ª - "Alguns itens foram agrupados" - como por exemplo o conjunto de cuecas, camisolas interiores ou meias conta como um item.
6ª - "Objetos da casa" - como algumas ferramentas para uso pontual em casa não entrariam na sua lista.
7ª - "Presentes" - se receber alguma prenda terá 7 dias para decidir o que fazer com ela, se mantinha ou eliminava. Ao manter e se ultrapassasse os 100 itens teria de abdicar de qualquer outra coisa da lista.
8ª - "Novos objetos" - era permitido adquirir coisas novas, desde que nunca ultrapassasse os 100 objetos. Para entrar um novo devia sair um velho.

Alguns pensamentos do autor durante o ano em que decorreu o desafio e que me fez refletir:
> Para viver uma vida de simplicidade não basta viver uma vida de desprendimento das coisas materiais nem é preciso fugir. É precisamente o oposto. Libertar-se das amarras do consumismo não significa libertar-se de tudo; e sim, uma forma de se vincular ao lugar onde verdadeiramente pertence - "Contenta-te com o que tens e transforma a tua vida em algo melhor ainda". 

> Há pessoas que são como a formiga que tudo armazena e por isso guardam coisas que não usam, porque não são capazes de deitá-las fora ou dá-las para a caridade. O desafio revelou-se uma ótima forma do autor livrar-se das coisas que nunca iriam reparar o seu passado nem fazer de si uma pessoa que não era.

> A publicidade e a política de vendas que encontramos no centro comercial parecem vocacionadas para nos ajudar a termos cada vez menos noção de quem somos e cada vez mais preocupações sobre quem não somos.

> Uma questão muito pertinente que o autor faz: "Porque é que damos tanta atenção aos bens materiais quando as pessoas são tão mais interessantes?" A vida é praticamente a mesma se não tivermos uma abundância de coisas, a única diferença é que sem a tralha há mais espaço de manobra para aproveitarmos a vida ao máximo e dedicarmos mais tempo ao que realmente é importante para nós e as pessoas que amamos. 

No final do livro o autor dá-nos um guia prático para quem quer fazer o desafio:
Formulou duas perguntas que são uma forma de avaliar se o Desafio é ou não o ideal para nós:
          Pergunta 1 - Sente-se incomodado todos os dias pelo facto de possuir demasiada tralha?
          Pergunta 2 - Sinceramente?
Se respondeu "Sim" a estas 2 perguntas, Dave diz que deveriamos considerar a hipótese de colocar em pratica um Desafio das 100 coisas. Se a resposta foi "Não" talvez o melhor seja adiar por uns tempos. 

Quando este desafio foi publicado, despertou a atenção de muitas pessoas (muitos até criticar as regras do autor, mas como ele próprio diz: o desafio é dele e "a perfeição não é aquilo que define a essência da simplicidade"). 
Existem diversas razões para se querer fazer o Desafio: para equilibrar as finanças pessoais, para arrumar a casa, para eliminar um hábito de compras nocivo. O factor mais importante para o autor era querer libertar- se da pressão da constante sensação de que precisava de comprar coisas para se sentir satisfeito. 

Para se fazer o desafio é preciso seguir os 3R's: reduzir, recusar e reajustar (a vida, os princípios e os hábitos) para se viver com menos coisas.
Reduzir - O autor sugere que começamos a reduzir pela roupa, porque a maioria das pessoas pensa que o seu guarda-roupa e o principal impedimento e porque normalmente toda a gente possui demasiadas roupas. Depois de passar a fase do armário, o autor sugere que se faça a "depuração" da casa por zonas: wc, cozinha, sala, etc...

Recusar - O autor identifica 3 grandes fontes de tentação: os amigos e outras pessoas que insistem em dar-nos coisas ou a ridicularizar o desafio, pois irá provocar uma sensação desagradável nelas; os centros comerciais e a televisão (com toda a publicidade que esta contém). Devemos evitar estes contextos e estarmos preparados para recusar. 

Reajustar - Reajustar para organizar os nossos bens materiais de uma forma diferente e para reformular o nosso estilo de vida. Certifique-se de que as suas prioridades, uma vez reajustadas, prendem-se com tornar o mundo real num lugar melhor e fazer com que as pessoas a sua volta se sintam acarinhadas. 

Recomendação final do autor:
"Tenha cuidado ao fazer o Desafio das 100 coisas. É altamente provável que depois de o fazer se sinta satisfeito mesmo possuindo poucas coisas. Descobrirá que já não tem a compulsão de querer comprar mais e mais. E então terá de arranjar uma nova forma, sem ser ir às compras, de empregar o seu tempo, dinheiro e talentos".

Eu não vou fazer literalmente o desafio, porque não sinto necessidade para tal, mas talvez faça só no papel....escrever os objetos que tenho e ver qual é o número. Simplesmente por curiosidade!

(Este post ficou um pouco longo, mas queria registar aqui o que me marcou mais neste livro!)  

Na semana que passou...

março 23, 2015


Estive fora de casa...das minhas rotinas! Como estou em formação profissional tive que trabalhar uma semana longe e dormir esses dias num hotel. Até é bom para tirar umas "férias" pequenas das nossas responsabilidades de casa, mas para ser sincera não gostei nada! No segundo dia já estava desejosa de estar na minha casa. Prefiro ter todas as minhas responsabilidades (limpar a casa, fazer almoço e jantar, etc.) e estar em casa. É tão bom chegar a casa e ter a pessoa que nós amamos, aquele abraço, aquele carinho, falar a nossa língua portuguesa e a simples pergunta de "como correu o teu dia?". Gosto dos meus hábitos, das minhas rotinas! Uma semana que serviu para pensar e agradecer tudo o que tenho.

Em relação ao trabalho e à formação correu tudo bem, mas fui com uma colega que me deixou um pouco stressada, mesmo eu tentando não dar muita atenção e não fazer julgamentos, nem sempre foi possível. Uma das coisas que mais detesto é estar com pessoas que reclamam de tudo...estas pessoas tiram-me energia, deixam-me cansada e sem vontade de fazer as coisas! E pior...fazem com que eu também reclame. Ao dizer: "ela está sempre a reclamar", eu estou a reclamar também! Não foi uma semana fácil! Mas nem tudo foi mau! Tenho que agradecer a equipa fantástica que trabalhei...todas as coisas novas que me ensinaram. Agora vem mais uma semana com novas experiências, nova equipa e nova companheira! 

Eu gosto de fazer sempre este post à segunda, porque faz-me refletir sobre a minha semana e porque a segunda-feira é para mim sempre um recomeço. Acordar sempre cedo...deixar a preguiça na cama, fazer a minha rotina matinal, beber um café fresco para acordar e começar uma semana com bom-humor e cheia de vontade para superar tudo o que ela me traz. Gostava de sentir isto todos os dias da semana (nem sempre sou capaz) mas segunda nunca falha! Lembrar sempre: "Quem faz a semana ser boa sou eu". 

Agora vou deixar aqui o que me inspirou na semana que passou:
- A nossa responsabilidade - do blog Uma Vida Mais Simples. 

- Cultivando a Felicidade - do blog Sangha Virtual - Thich Nhat Hanh

-Yoga e qualidade de vida - do blog Da Minha Janela 

- O que fazer quando não sabemos o que fazer - do blog Camile Carvalho

Estas palavras da Estafanie do blog Coisas Fúteis:
"Os dias bons não têm de ser dias perfeitos. São dias bons e isso é muito bom. Dias em que tudo é mais simples, dentro da imperfeição da vida. Dias em que as certezas são mais fortes do que as dúvidas. Dias em que o amor basta. Dias em que podemos até nem saber muito bem o que vem a seguir, mas temos a certeza absoluta de que ninguém nos tira nada do que somos, do que temos e do que vivemos".

créditos da imagem | pinterest

One Bite at a Time - Projeto 7

março 17, 2015


Projeto 7 - Minimizar a coleção de Livros e Revistas

Hoje vou falar de mais um projeto do ebook One Bite at a Time de Tsh Oxenreider: Minimizar a coleção de livros e revistas. Eu adoro ler e adoro livros, gosto de decorar a casa com livros, mas como diz a autora não precisamos de ter livros sem motivo. Se pretendermos ler o livro no futuro devemos guardá-lo, se não temos planos de voltar a ler, mesmo que tenha sido um presente, não deve mos guarda-lo na nossa estante. O mesmo vale para as revistas, só devemos guardá-las se gostarmos mesmo muito. 
A autora da algumas sugestões para ajudar-nos na hora de destralhar os livros e avisa-nos que se amamos livros não vai ser tarefa fácil no início, mas vamos-nos sentir bem quando acabarmos, porque os livros favoritos vão ter um lugar destacado nas prateleiras. Para mim, o segredo de destralhar qualquer coisa é não pensar muito sobre isso e fazer!  

Cá em casa só tenho 10 livros físicos, porque antes de vir para França vendi e dei a coleção de livros que tinha. Os que tenho actualmente são para ler e depois para doar. Só guardo mesmo livros que sei que vou voltar a ler, por exemplo "O Poder do Menos" de Leo Babauta e "A Arte da Simplicidade" de Dominique Loreau. Eu gosto de ler livros físicos, mas ultimamente prefiro mesmo ler no tablet. Nele é possível ter todos os livros que estou lendo, para além de que os ebooks são mais económicos. Mas sempre podemos visitar a biblioteca da nossa cidade e, assim, aproveito e leio mais livros em francês. 

Em relação às revistas, a autora diz para criarmos um notebook para guardar determinadas páginas, fotos e artigos, e depois reciclar o restante das revistas, ou então digitalizar e fazer um notebook virtual (por exemplo, no evernote) e depois doar a revista à biblioteca. Eu já não comprar revistas há mais de um ano e não sinto falta nenhuma! Podemos encontrar inspiração para os mais diversos temas na internet. Inspire-se no Pinterest. Mas se gosta de guardar revistas, mantenha-as num local limpo e de fácil acesso. Se um ano depois ver que eles estão a ganhar pó, talvez não são assim tão inspiradoras.

Este projeto pode levar algum tempo, mas depois vai ver que valeu a pena! 

Na semana que passou..

março 16, 2015


Foi a minha primeira semana de trabalho :) Não trabalhei na empresa onde arranjei trabalho, mas fui chamada para fazer as férias de uma colega no local onde tinha estagiado, quando fiz a formação profissional. É muito bom quando dão valor ao nosso trabalho! Assim tive uma mini preparação para as próximas semanas que aí vêm! Eu vou abrir uma loja completamente nova, então há muito trabalho a fazer...toca a tomar muitas vitaminas para aguentar! Tenho a certeza que vai ser uma experiência muito gratificante e é uma oportunidade única para aprender mais e melhorar o meu francês, pois aqui ainda não se fala correctamente, mas não foi impedimento de arranjar trabalho mesmo com esta crise!  
Desde que vim para a França tem sido uma descoberta de mim própria...tenho conseguido alcançar coisas que jamais pensei serem possíveis! No outro dia, numa conversa com uma das minhas amigas virtuais, saiu-me uma frase que fez-me refletir durante a semana: "A crise veio ajudar as pessoas a descobrirem-se!". Hoje em dia olho para a crise que se instalou de forma positiva...ela fez-me ter coragem de ultrapassar obstáculos que pensava nunca conseguir...ela fez-me crescer e crescer muito...de forma a descobrir quem realmente sou e o que quero para mim! 

Na semana que passou também foi a primeira do Desafio Vida do Bem. Posso dizer que correu bem, mesmo com algumas falhas que são para melhorar nesta próxima semana. É normal falhar não podemos é desistir logo à primeira falha! Então acordei todos os dias às 6h30 e consegui meditar os 10 minutos que propus-me a fazer. Em vez de fazer yoga só duas vezes por semana pratiquei nos cinco dias da semana 20 minutos (muito bom!). Beber 2 litros de água por dia realmente é um desafio para mim, tenho uma dificuldade enorme em me lembrar que tenho de beber água, por isso coloquei esta aplicação no telemóvel. Tomei todos os dias um pequeno-almoço saudável, mas queria ter comido menos carne e não consegui por preguiça de fazer uma refeição diferente para mim. Li todos os dias mais de 5 páginas de um livro, mas não fiz o exercício de gratidão (ainda não consegui implementar este hábito).

Para me concentrar mais nas minhas tarefas e nos meus objetivos tenho dado alguma atenção a textos sobre mindfulness (atenção plena). Deixo aqui os links que me inspiraram esta semana:


- O que significa parar e prestar atenção - no blog The Busy Woman. 

- Projetos interessantes que a Fátima tem partilhado no seu blog Música com Café e que vou fazer de certeza: "o meu vision board" e "o diário da minha vida profissional". 

Estas palavras de um blog que gosto tanto: 
"É importante dar passos que nos fazem sentir orgulhosos. E saboreá-los.Enfrentar os medos de outrora, compreender as coisas que pareciam difíceis e perceber, no final de tanto, que há prismas em que a luz se desdobra em todas as cores e que só mais tarde conseguimos perceber. Todos os dias, os muito bons, os bons e os outros (os maus, mesmo), unidos ponto a ponto, são o sentido do caminho que escolhemos seguir e da pessoa que decidimos ser (todos os dias)." - Ás Nove no meu Blog

E venha mais uma semana :) Beijinhos e boa semana! 
créditos da imagem | attic treasures

Esta semana...

março 10, 2015


Não fiz o post normal do fim-de-semana, porque comecei a trabalhar e agora tenho que me habituar às novas rotinas. Não gosto de fazer nada a correr, muito menos chegar aqui ao blog e escrever algo a correr, por isso a partir desta semana o blog vai andar mais calminho, até conseguir-me organizar e tudo começar a correr na normalidade. Quero focar-me nesta nova etapa da minha vida que vai começar...e que já a esperava há tanto tempo! Ou talvez não foi assim há tanto tempo, porque na realidade só ando à procura de trabalho desde Janeiro deste ano, antes andei a fazer uma formação profissional. Mas uma pessoa ansiosa como eu, acaba por desesperar mesmo que não queira. Bem, deixando o passado para trás...já consegui arranjar trabalho e assim as minhas "férias" chegaram ao fim. Estou muito feliz!

Como desse lado já sabem, eu adoro desafios! E ontem começou o Desafio Vida do Bem do blog Hi-Fu-Mi-Yo. Podem ler mais sobre ele no próprio blog! As minhas resoluções vão continuar a ser as que tenho tentado implementar nas minhas rotinas (com algumas diferenças):
- acordar todos os dias da semana 6h30 (menos ao domingo)
- meditar todos os dias 10 min (aumentei 5 min)
- praticar a gratidão todos os dias
- fazer yoga pelo menos 2x por semana
- beber 2 litros de água todos os dias
- tomar todos os dias um bom pequeno-almoço saudável 
- ler pelo menos 5 páginas de um livro
- comer menos carne possível 
E por enquanto já chega...vamos ver como corre!

Durante o fim-de-semana também descobri uma série de vídeos de yoga que achei muito interessante da jornalista Filipa Veiga e o seu blog Yoga-me

Na semana passada andei muito mais instrospectiva e a tentar concentrar-me mais na minha pessoa, por isso tenho prestado mais atenção a temas sobre yoga e meditação:
- Você quer ser feliz ou ter razão? - do blog Da minha Janela

- O texto de Thich Nhat Hanh: Porquê Meditar? - que a Rita do blog Busy Woman partilhou no blog. 

E este texto do blog Às Nove no meu blog:
"São as pequenas coisas da vida, que acontecem na hora certa e no ponto em que estamos preparados para as compreender, o sal que tempera a nossa existência. 
São as pequenas coisas da vida, que nunca acontecem por mera sorte, mero acaso, um estalar de dedos ou um passe de magia, que nos provam que vale a pena esperar e manter a mesma atitude quando se tem tudo e quando não se tem nada: paciência.
E a quem nos diz ter sido «só» sorte ou um mero acaso, a resposta «só» pode ser silêncio. Porque para quem fala de cor sobre a sorte, não sabe, nem perto, que a sorte dá muito, mas muito trabalho a conquistar. Estejamos nós dispostos e disponíveis para superar todas as subidas íngremes, todas as paisagens áridas, todas as estradas sinuosas e todas as pessoas de pouca fé".

Desejo uma boa semana para todos :) 
crédito da imagem | all things stylish

Com tempo vou respondendo aos comentários que me têm deixado aqui...eu gosto sempre de dizer alguma :) E tenho recebido comentários que me têm deixado muito feliz!!

Inspiração para uma vida mais simples #19

março 06, 2015


"Tudo o que temos de decidir é o que fazer com o tempo que nos é dado" - Gandalf no Senhor dos Anéis. Nesta semana encontrei esta frase no meu caderninho de apontamentos e tenho pensado muitas vezes nestas palavras. Realmente, todos nós temos que decidir o que fazer com o tempo que nos é dado...é essencial definir prioridades e tomar decisões conscientes, respeitando o que somos e o que importa para nós. Admito que até bem pouco tempo andei a desperdiçar o meu tempo a perseguir coisas erradas. Nunca parei para refletir o que realmente queria para mim...e não trilhava o meu próprio caminho mas sim o caminho de alguém. Olho para trás e penso: "se eu pudesse fazer a vida de novo, eu teria abraçado uma vida minimalista antes" (não sei onde li isto, mas tenho o mesmo pensamento). Só que a vida não se faz de novo mas também nunca é tarde para se mudar...por isso é agora! Agora sou eu que decido o que fazer com o meu tempo...sem medo de ser eu! Dizer não quando sentir que tenho de dizer não e dizer sim quando sentir que tenho de dizer sim. Nunca esquecer quais são minhas metas e as minhas motivações...e lembrar que não importa o que outros pensam. O que importa é ser eu! Apenas ser...

Bom fim-de-semana :) 

créditos da imagem | sonya khegay

One Bite at a Time - Projeto 6

março 05, 2015


Projeto 6 - Criar um Propósito Familiar

Eu nunca tinha pensado nisto. Acho que não faz parte da nossa cultura, mas os ingleses têm muito este hábito, por exemplo no Pinterest conseguimos ver diversos exemplos. A autora do ebook One Bite at a Time,no projeto 6, diz para nós definirmos a missão ou o propósito da família, ou seja, criar uma espécie de declaração com os objetivos comuns e específicos para toda a família, de forma a encontrar as prioridades e ignorar o resto. Porque não é possível chegar a tudo e fazer tudo, por isso é importante pensar no que é mais importante para a nossa família. Assim conseguiremos escolher as actividades e tarefas onde gastar o nosso tempo é dinheiro. 

Tsh sugere a leitura do 3 Capitulo do seu livro Organized Simplify, onde explica como criar uma declaração do propósito familiar que funcione para a nossa família. A autora dá o exemplo do seu propósito familiar e algumas sugestões para nós criarmos o nosso, que deve ser:
- simples - porque é uma ferramenta para a nossa família e não uma tese de doutoramento.
- intemporal - porque deve ser tão viável agora como daqui a dez anos. 
- geral - mas não demasiado geral, pois se for muito vaga não vai realmente ajudar.

Esta deve ser planeada com todos de casa e depois afixada num lugar bem visível. As prioridades bem definidas guia-nos nas tomadas de decisões e interações diárias com os de casa e com os outros fora de casa, e na programação diária e nos ritmos. 

Ainda não implementei este projeto cá em casa, mas tenho a certeza que irá ser só planeada por mim, pois o homem cá de casa não liga muito a estas coisas. Cá em casa tenho o Manifesto Holseet (escrito em francês) afixado e concordo com tudo o que está escrito e há muito tempo que o sigo como inspiração. Mas claro que não deixei de refletir qual seria o propósito da minha família. Então seria:

Viver com simplicidade
Nunca parar de aprender
Pensar grande
Respeitar a Natureza
Viver uma vida saudável
Fazer sempre o certo
Não ter medo de seres tu
Viajar com frequência 
Não esperar nada e Apreciar tudo 
Amar as pessoas

Com tempo vou fazer um poster bem bonitinho para afixar. Achei interessante o projeto! E vocês alguma vez pensaram no propósito da vossa família? 

Desafio 30 Dias Minimalistas #3

março 03, 2015


Ontem terminou o desafio dos 30 dias minimalistas. Confesso que estes últimos 10 dias não foram seguidos à risca, mas não deixaram de ser feitos. Tive que adaptar os dias à minha semana que foi um pouco atarefada (espero na próxima semana ter boas notícias). 
Ao chegar ao fim do desafio posso dizer que adorei fazê-lo e recomendo. De certeza que vou voltar a fazer alguns dos dias que foram mais complicados para mim. 

Os meus últimos 10 dias:
21º Dia - Escrever por 20 minutos
Eu adoro escrever...ajuda-me a organizar os meus pensamentos. Então não foi complicado sentar-me por 20 minutos e escrever sobre o que ia na minha cabeça. Neste dia até decidi fazer uma pequena reflexão - "Quem sou eu agora?", pois muita coisa tem mudado na minha vida. Eu não tenho o hábito de escrever num diário, mas ando a considerar fazê-lo.

22º Dia - Criar uma rotina de dormir relaxante 
O mesmo que o projeto 4 do ebook One Bite at a Time que já falei. 

23º Dia - Vá de cara lavada
Há muito que reduzi a minha rotina de beleza e volta e meia não me apetece colocar maquilhagem nenhuma na cara, por isso desafio nada difícil de se fazer. Cada vez tenho simplificado mais esta tarefa e tenho trocado os produtos por marcas sem ingredientes tóxicos e que não testam em animais. 

24º Dia - Praticar gratidão
Um exercício que tento fazer todos os dias: estar atenta e apreciar as coisas que fazem parte da minha vida. Nós temos tanta coisa boa na nossa vida que nem sempre damos a devida importância. E já está mais que provado que praticar a gratidão transforma a nossa vida em algo melhor e dá-nos mais felicidade. Vou voltar a fazer este exercício mais vezes, para além de que em Abril já tenho planeado fazer este desafio. Eu gosto muito de desafios :) 

25º Dia - Deixar o dia inteiro não planeado
Hum! Para mim é difícil fazer isto num dia da semana (foi uma quarta-feira), por isso deixei este dia para um domingo, porque já algum tempo decidi que este dia é um dia completamente livre e sem planos. 

26º Dia - Identificar os seus gatilhos de stress
Eu sou uma pessoa muito ansiosa e impaciente (os meus principais defeitos!) e, neste momento, por não ter trabalho, o meu stress vem daí. Tenho tido muitas noites mal dormidas porque não gosto de sentir o meu futuro próximo incerto...de saber que preciso de algo (de trabalho) para conseguir andar com a minha vida para a frente. Espero que esta situação não demore muito mais tempo! Depois sei que virão outros gatilhos de stress que terei de identificar :)

27º Dia - Limpar a sua gaveta da tralha
Não tenho esta gaveta...mas há sempre alguma coisa para destralhar. Um desafio que já não é nada difícil para mim. Aliás cada vez é mais fácil para mim desapegar-me das coisas e deitar fora (doar, reciclar).

28º Dia - Deixar de lado um objetivo
Desde que decidi seguir uma vida minimalista e penso e repenso nos meus objetivos e se são realmente o que quero (e não os outros) e se é o que realmente me faz feliz. Definir os objetivos essenciais para cada um é uma coisa que tem de ser feita ao longo do tempo e não num só dia.

29º Dia - Desativar as notificações 
Eu tenho as notificações do email e das redes sociais desligadas já há algum tempo, porque parava muitas vezes de fazer o que estava a fazer para ir ver o que era e depois lá me perdia! É uma boa solução para manter o foco nas tarefas diárias. Agora, sou eu que defino quando ver o email ou as redes sociais, não as notificações! 

30º Dia - Avaliar as últimas 5 compras
Último dia! Fiz algumas compras este mês mas nada que não fosse pensado. E se comprei é porque é essencial para mim, mesmo que não seja para as outras pessoas. Cada um é que sabe o que é essencial para si e não há mais nem menos minimalistas...simplesmente há minimalistas! 

E assim termina um dos desafios que decidir fazer este ano. Podem ver aqui e aqui os outros dias do desafio. E quem participou, como correu? 

Beijinhos :)
créditos da imagem | blue mountain thyme

No fim-de-semana que passou...

março 02, 2015


Foi mais um que passou, mais um que fui correr e levei a minha determinação avante, mesmo quando a vontade não era muita. Fiz um compromisso comigo própria de correr todos os sábados e quartas! Escrevo isto aqui para que este compromisso seja público e me dê motivação para não desistir, até já ser um hábito. Não sei se alguma vez escrevi aqui...mas todas estas alterações e preocupações que tenho tido em mudar os meus hábitos para hábitos mais saudáveis, deve-se ao facto de ter sido detectada uma doença hereditária no coraçãozinho do meu pai, e tudo indica que as suas filhas possam ter um dia mais tarde. Como sempre ouvi dizer, mais vale prevenir do que remediar, então tenho dado mesmo atenção ao meu corpo e ao que ele precisa para ser saudável. 

No domingo, como é normal, foi dia de hibernar...passar o dia em casa (já que aqui o tempo não convidada mesmo a sair), aproveitar o tempo para namorar, colocar a leitura dos blogs em dia, terminar de ler um livro e começar a ler outro. Como eu gosto destes meus domingos não planeados...deixar o dia correr. Sabe tão bem!

Depois de um bom fim-de-semana, entro em mais uma semana, mas estas vem com a esperança de receber uma boa notícia! Vou tentar esperar sem muita ansiedade...

Aqui deixo os links que gostei mais na semana passada: 
- O mundo nunca foi tão incrível e ninguém está feliz - no blog Fêliz com a Vida. Praticar mais a gratidão, pois como o Monge David Steindl-Rast diz "não é a felicidade que nos faz gratos, é a gratidão que nos faz feliz."

- 6 hábitos saudáveis - da Raquel do blog We Blog You. Não foi a Raquel do Just Happy with Less que escreveu, mas podia ter sido :) São hábitos que tenho implementado também nas minhas rotinas diárias.

- Uma dica da Mariana: Foco no positivo.  - no blog Chá e Girassóis. Mesmo quando os dias não correm como esperamos, manter o foco nas coisas boas do dia-a-dia que nem sempre damos o devido valor.

- O que significa não julgar - no blog Busy Woman. Uma boa reflexão para nos fazer pensar. 

E deixo este excerto do livro "O Desafio das 100 coisas" do Dave Bruno:
"Acredito que exista neste mundo imensas coisas boas à nossa espera, mas não é no centro comercial que vamos encontrar a grande maioria delas. Por muito louco que o nosso mundo seja - e é-o bastante - existem infinitas oportunidades para se procurar as coisas boas da vida. Mas a boa vida é cheia de ironias: é incerta e aparece quando menos estamos a contar com ela. Quando o Sol nasce é para o bem e para o mal, é para aqueles que exigem que tudo seja perfeito e para aqueles que admitem as suas próprias falhas e demonstram ter paciência para com os outros. A verdadeira boa vida com que todos sonhamos está rodeada de bens imperfeitos, coisas e ações que não são ideais mas que tornam melhores as nossas vidas e as vidas dos outros."

E assim termino por hoje :) Boa semana!
créditos da imagem | the sunday chapter
© Just happy with less. Design by FCD.